Entretenimento,  Série e TV

SEX EDUCATION QUEBRA A TENSÃO SOBRE TEMA QUE AINDA É TABU

A Netflix tem investido cada vez mais em suas obras originais, muitos acertos, outros nem tanto, mas é preciso reconhecer o esforço da plataforma em agradar seu público. Sex Education, criada por Laurie Nunn, estreou em 11 de janeiro e como o nome deixa claro, tem sexo como seu tema condutor. A série britânica é voltada principalmente para o público adolescente e quebra a tensão que é falar sobre sexo, tema que infelizmente ainda é tabu, e faz isso muito bem, de forma leve e engraçada. Se engana que a série não vai tirar ao menos boas risadas dos mais velhos, principalmente para os que já passaram da fase de “grandes” apuros, descobertas, dúvidas e medo, é claro. A série não aborda novidades, mas retrata assuntos que normalmente são evitados, e mesmo já trazendo temáticas clássicas, faz isso com maestria. O tom de seriedade e humor estão anivelados.

Otis Milburn (Asa Butterfield) é o protagonista da série, um adolescente contido se comparado aos demais colegas de escola, mas há grandes explicações para isso que vão se desenvolvendo ao longo da trama; boa parte de seus traumas é devido aos pais. Otis é filho de pais divorciados, mas vive com a mãe, Jean Milburn (Gillian Anderson), uma terapeuta sexual que faz o atendimento aos seus clientes em seu home office. Jean não tem muito filtro quando o assunto é sexo, trata com tanta normalidade que chega a ser invasiva em relação a intimidade de outras pessoas, inclusive a do filho. Otis e o melhor amigo Eric Effiong (Ncuti Gatwa) passam como alunos invisíveis na escola, talvez Eric nem tanto, mas não por questões positivas, já que é vítima constante de bullying.

Apesar da inexperiência de Otis com o tema, ele descobre ter aptidão para aconselhar outros adolescentes sobre sexo e a resolver problemas que vão dos mais simples aos mais bizarros, graças a todos os anos de convívio com a  mãe e a profissão da mesma. Otis começa a realizar consultas pagas no campus da escola, graças a Maeve Wiley (Emma Mackey), uma colega de classe que enxerga potencial em Otis e se torna sua parceira de negócios, ficando encarregada de conseguir os clientes.

(Reprodução: Sex Education | Netflix)

GIRL POWER! <3

Um ponto positivo para série fica na abordagem das personagens femininas. Diferente de outras séries adolescentes em que normalmente as mulheres são retratadas de formas frágeis, retraídas ou acanhadas, Sex Education revela personagens de personalidades fortes e decididas. Claro que por serem jovens, possuem dificuldades e dúvidas sobre o tema central, como esperado, mas possuem mais atitudes e menos medos do que os personagens masculinos.

A série também se arrisca e acerta ao abordar de forma descontraída assuntos que normalmente são evitados, como a masturbação feminina, a iniciativa da mulher de querer fazer sexo, o aborto, a condução da mulher durante o coito e o vazamento de fotos íntimas.

NATURALIDADE EM RETRATAR AMIZADES INDEPENDENTEMENTE DE SUAS DIFERENÇAS

Sex Education aborda uma amizade adorável entre Otis e Eric, mas em momento algum é abordado qualquer tipo de preconceito entre eles, já que Otis é heterossexual e Eric homossexual. Eric sofre pressão e preconceito não somente pela sua orientação sexual, mas como pela sua personalidade e sua forma ousada de se vestir, tanto em casa, quanto na escola. Eric é o único filho homem no meio de várias mulheres em uma família religiosa e apesar de saberem sobre o jovem, a família não proíbe, mas coíbe-o de muitas formas.

Eric vê em Otis uma liberdade de ser quem é, sem precisar temer ser repreendido ou julgado. O personagem chega inclusive a mencionar que se sente seguro na casa do amigo. A amizade de ambos é tratada com completa naturalidade. Otis não se preocupa se outras pessoas irão questionar sua orientação sexual pela forte amizade que nutre com o amigo de infância, assim como em momento algum tenta mudar quem e como o amigo é, pelo contrário.

(Reprodução: Sex Education | Netflix)

FALAR DE SEXO COM UMA DOSE EXTRA DE HUMOR

A série traz uma temática didática, mas com uma dosagem certa de humor. Impossível não se divertir com os apuros em que Otis se mete, principalmente os constrangimentos com a mãe. Eric é uma peça rara, mas um dos melhores pontos de humor fica para a personagem Lily Iglehart (Tanya Reinolds), uma jovem um tanto quanto incomum, que apesar de ser virgem, vive desenhando e narrando alguns contos eróticos que envolvem alienígenas. Lily se mostra obcecada em perder a virgindade durante a série e mostra um lado muito especial que não estamos acostumados a presenciar em séries e filmes: ela não pretende criar laços emocionais com seu parceiro, deseja apenas transar por transar e viver a experiência antes de entrar na faculdade sem que haja julgamentos por isso. #YOUGOGIRL

Apesar dos episódios serem longos para o gênero da série, ela é bem conduzida e vale a pena reservar um tempo para dar boas risadas com esse elenco. A Netflix acertou em cheio com a primeira temporada.

NOTA:

TRAILER:

http://netflix.com/sexeducation

Uma jornalista um tanto quanto nerd, apaixonada por conteúdo, música, filmes, séries e afins. Fundou o blog para dividir as alegrias e as angústias de uma vida que surpreende a cada novo capítulo.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.