Ensaio da Mente - Análise Psicológica de Michael Myers
Ensaio da Mente,  Entretenimento

Michael Myers, infância e personalidade | Análise Psicológica

Criada em 1978 Halloween é uma série cinematográfica composta por 12 filmes, baseada na história fictícia do assassino em série Michael Myers. O filme mostra a infância de Michael, onde o mesmo com 10 anos em uma noite de halloween, mata de forma fria o padrasto, a irmã mais velha e o namorado da mesma, poupando apenas a vida de sua irmã mais nova, Laurie Strode, na época um bebê, e sua mãe que não estava em casa.

Depois dos acontecimentos, ele passa 15 anos preso em uma instituição psiquiátrica, até fugir e ir à procura de sua irmã Laurie, matando de maneira extremamente agressiva todos que cruzavam seu caminho.

Muitas vezes, atrás de um psicopata frio e cruel, há uma infância difícil e cheia de abusos. O transtorno de personalidade antissocial mais conhecido como “psicopatia”, é caracterizado por comportamentos cruéis de impulsividade, falta de empatia, desprezo por normas e regras. Os sintomas aparecem durante a infância e adolescência.

A partir do remake Halloween – O início (2007), dirigido por Rob Zombie, observa-se que Michael vivia em um ambiente totalmente abusivo, no qual morava com a mãe, o padrasto e as duas irmãs, sendo uma adolescente e a outra bebê. O padrasto era um alcoólatra extremamente abusivo, onde o mesmo atacava Michael e a mãe dele com xingamentos e agressividade.

Uma análise psicológica do personagem Michael Myers de Halloween
(Divulgação: Halloween | The Weinstein Company, Alliance Films)

Após uma briga, o diretor da escola de Myers chama a mãe dele para conversar com um psicólogo, após encontrar um gato morto e fotos de animais mortos na mochila do garoto.

A partir desse momento, o comportamento agressivo de Michael apenas piora, pois, além dos animais ele começa a matar pessoas. No mesmo dia, o jovem mata friamente um colega de escola, a irmã dele, o namorado da irmã e o próprio padrasto.

Antes das mortes, Michael sempre usava uma máscara de palhaço, analisando isso de maneira simbólica. O uso do objeto fazia com que Michael assumisse outra personalidade, onde o mesmo, de forma psíquica, poderia atribuir o comportamento homicida e a personalidade que usava à máscara, e não a ele como pessoa.

É possível perceber isso claramente no filme, durante as cenas em que Michael conversa com o psicólogo no hospital, por exemplo, ao ser questionado se lembrava sobre o que havia feito, ele simplesmente responde que não havia cometido os assassinatos descritos.

Michael tinha encontros diários com o psicólogo dentro do hospital psiquiátrico no qual estava internado, durante estes encontros, o psicólogo tentava entender um pouco mais sobre a personalidade dele e as motivações para os crimes cometidos.

Não fica claro no filme se o comportamento apresentado por ele, sobre negar os assassinatos, seria algum tipo de manipulação perante o psicólogo, mas observando a evolução do personagem, pode-se perceber que provavelmente é algo que o personagem realmente acreditava, ou seja, que ele não havia cometido os assassinatos, e sim o seu alter ego.

Michael Myers no Halloween O Início dois
(Divulgação: Halloween | The Weinstein Company, Alliance Films)

Depois de um tempo internado, Myers começou a confeccionar máscaras de papel, onde o mesmo ficava constantemente com elas e só as retirava quando a mãe o visitava.

A máscara de Michael servia para que ele pudesse esconder sua verdadeira identidade como criança; ao se acobertar embaixo dela, ele se sentia menos vulnerável. A única pessoa que o personagem permitia que o enxergasse sem a máscara, era a mãe dele, que em sua companhia, sentia-se confortável para ser criança mesmo com sua personalidade antissocial, pois, ela era a única que o amava e se preocupava com ele, apesar de tudo o que havia acontecido.  

Com o passar do tempo, Michael parou de se comunicar com o psicólogo da maneira que fazia anteriormente, sempre permanecendo muito calado e, às vezes, demonstrando raiva e insatisfação por estar preso no hospital, assim como por não entender o motivo pelo qual estava lá.  

No decorrer da história, mesmo durante os encontros com a mãe, Michael Myers usava a máscara, não se comunicava com absolutamente ninguém e o resquício da criança que ainda existia ali, havia desaparecido.

A máscara utilizada pelo personagem representa o lado sombrio da mente dele. Ao vesti-la, ele se torna capaz de assumir um alter ego, onde poderia expurgar toda a sua agressividade recalcada, sem medir consequências.

Após 15 anos preso, Michael ainda se mostra aficionado por máscaras e em seu quarto no hospital, há dezenas de máscara penduradas nas paredes; sem elas ele se mostra um homem apático e incomunicável, não demonstrando nenhum traço de agressividade.

Em uma noite, Michael mata vários funcionários do hospital psiquiátrico e foge, começando assim uma extensa perseguição à sua irmã, Laurie Strode, espalhando o terror em Haddonfield.

Um ensaio sobre a mente de Michael Myers, personagem do filme Halloween
(Divulgação: Halloween | The Weinstein Company, Alliance Films)

Os fatores biológicos e ambientais interagem para predisposição de um indivíduo ao comportamento antissocial, e foi exatamente isso que aconteceu com Michael Myers. Possivelmente ele já tinha uma tendência genética para se tornar uma criança com desvio de comportamento, e o ambiente familiar no qual estava inserido só intensificou essa tendência.

É importante ressaltar que o histórico de vida e tendências biológicas não justificam atos cruéis, mas de certa forma, explicam como foi construída a personalidade do personagem. Isso esclarece porque algumas pessoas que cresceram em lares desestruturados podem virar criminosos cruéis e insensíveis, e outros que cresceram no mesmo ambiente tornam-se pessoas boas.

O filme é considerado um dos clássicos do terror, sendo Michael Myers considerado um dos personagens mais famosos dentro do universo cinematográfico. É importante frisar que a análise foi realizada a partir do remake de 2007 e não sobre a obra original de 1978, podendo haver informações distintas entre ambas as histórias.

Foi escolhido o remake, pois ele demonstra de forma mais detalhada como era a dinâmica familiar do personagem, possibilitando assim, uma melhor análise. O filme contém violência extrema, portanto, tenha cautela ao assistir, pois não é um filme voltado para o público infantil. Verifique a classificação indicativa.

Continue navegando em nosso blog. Para acessar o último post publicado, clique aqui.

Uma psicóloga que busca promover saúde mental e explicar assuntos relacionados a psicologia através de filmes e séries de maneira simples e descomplicada.

One Comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.